Mapeamento da flora apícola ajudará apicultores

Mapeamento da flora apícola ajudará apicultores. Eles terão acesso a dados atuais sobre as espécies de abelhas favoráveis à produção de mel e os melhores períodos de florescimento.

Apicultores maranhenses e piauienses serão beneficiados com o mapeamento da flora apícola dos biomas do Meio-Norte do país

Mapeamento da flora apícola ajudará apicultores 

Apicultores maranhenses e piauienses serão beneficiados com o mapeamento da flora apícola dos biomas do Meio-Norte do país. Graças aos pesquisadores da Embrapa, eles terão acesso a dados atuais sobre as espécies de abelhas favoráveis à produção de mel e os melhores períodos de florescimento. Com isso, "a implantação dos apiários poderá ser feita nos locais mais propícios ao bom desenvolvimento das colônias", afirma Paulo Sérgio Cavalcanti Costa, professor do Curso a Distância CPT Planejamento e Implantação de Apiário em Livro+DVD ou Online.

Preservação das espécies vegetais e das abelhas nativas

O mapeamento da flora apícola ajudará na preservação e no aumento das espécies vegetais e de abelhas nativas da Caatinga e do Cerrado, bem como das regiões dos manguezais. Iniciada em 2004, a pesquisa da Embrapa permitirá o planejamento e a execução de estratégias de manejo das colônias de abelhas com base na época de floração. Assim, os apicultores da região terão maior conhecimento para administrar seus apiários e aumentar sua produtividade.

Dados da flora apícola adicionados em livro ilustrado

As Matas de Cocais (Teresina), os Cerrados do Piauí e do Maranhão, assim como as Vegetações Litorâneas (Delta do Rio Parnaíba) são os biomas mapeados até o momento. Fábia de Mello Pereira, especialista da Embrapa, prevê o término dos estudos daqui a dois anos. Todos os dados coletados serão acrescentados em livro com imagens detalhadas da flora apícola da região do Meio-Norte.

Ramos com folhas e flores armazenados em herbário

Para que as informações sejam precisas, é necessário que cada bioma seja estudado por, pelo menos, um ano. Durante esse período, de quinze em quinze dias, os pesquisadores exploram uma trilha de três quilômetros. No mapeamento, são coletados ramos com folhas e flores, que, após prensagem e secagem, são armazenados em herbário para posterior identificação e catalogação.

Equilíbrio ecológico dos biomas mapeados

Além das espécies vegetais, são pesquisados os períodos de florescimento de cada uma delas, bem como as abelhas visitantes e os recursos coletados por elas - como néctar, pólen ou resina. O objetivo é fazer com que os apicultores da região percebam a ligação entre a flora e as espécies de abelhas. Segundo Leudimar Aires Pereir, bióloga e técnica de laboratório da Universidade Federal do Piauí, os estudos permitirão o equilíbrio ecológico dos biomas mapeados.

Fonte: Canal Rural.

Andréa Oliveira 01-08-2017 Apicultura

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.