Chuvas em Minas prejudicam grãos de café

Chuvas em Minas prejudicam grãos de café. As chuvas aumentam a umidade, o que prejudica a colheita dos grãos de café, assim como a secagem nos terreiros.

As chuvas aumentam a umidade, o que prejudica a colheita dos grãos de café, assim como a secagem nos terreiros

Chuvas em Minas prejudicam grãos de café

Segundo Daniel Marçal de Queiroz, Francisco de Assis Carvalho Pinto e Mauri Martins Teixeira, professores do Curso a Distância CPT Passo a Passo para se Obter Café de Qualidade, disponível nos formatos em Livro+DVD e Online, a qualidade do café encontra-se associada às condições climáticas e de solo, onde as lavouras encontram-se implantadas, além do processamento do produto. Este abrange o preparo, a secagem e a armazenagem, todos determinantes na produção de um café com alto padrão.

Um dos aspectos de suma importância para se obter bons grãos de café é a umidade. Como o teor de umidade inicial dos grãos de café gira em torno de 60%, a velocidade de deterioração na primeira fase de secagem é maior. Daí a necessidade imediata de secagem assim que o café é colhido. A secagem do café em terreiros é a técnica mais comum, mas promove baixa taxa de secagem e exposição dos grãos a agentes biológicos. Sem falar na ocorrência de condições climáticas desfavoráveis, como as chuvas.

No tempo chuvoso, o mais recomendado é o terreiro secador concretado. Trata-se de um terreiro com sistema de ventilação com ar aquecido por fornalha. Por meio dele, a secagem do café é realizada em leiras. É o que devem fazer os cafeicultores de Minas Gerais. Nos últimos dias, tem chovido muito em algumas regiões, o que aumenta a umidade e dificulta a secagem dos grãos.

Mas não somente a secagem do café é prejudicada. Segundo o cafeicultor Gabriel Alves Nunes, sua colheita de café foi paralisada devido à chuva. Em sua fazenda no Alto Parnaíba, choveu quinze milímetros, com ventos fortes, que derrubaram os grãos. Com isso, a qualidade do café foi afetada, assim como o preço médio de venda, pois os grãos ficaram mais sujos. As chuvas também estimulam o desenvolvimento dos botões florais e alteram o ciclo produtivo da planta na próxima safra.

De acordo com dados do Educampo - projeto de assistência técnica a cafeicultores de Minas Gerais e monitoramento dos cafezais, a produção de café no cerrado mineiro alcançará 4,5 milhões de sacas na safra 2017. Isso corresponde a 40% a menos em relação à safra 2016. Quando chove em período de colheita de café, até 40% desse volume apresenta grãos com qualidade inferior.

As chuvas atípicas na região prejudicaram os cafezais. "Em geral, os cafeicultores mineiros colhem até 25% de café varrição. Esse ano, serão colhidos até 50% dependendo da região", afirma Caio Lazarini, engenheiro agrônomo da Educampo.

Fontes: Canal Rural e Café Point.


Andréa Oliveira 20-06-2017 Cafeicultura

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.