Agricultura biossalina: alternativa no semiárido nordestino

Agricultura biossalina: alternativa no semiárido nordestino. A técnica tem sido empregada em áreas menores, onde são cultivadas forrageiras para alimentação de rebanhos.

A agricultura biossalina é uma alternativa de cultivo embasada no uso criterioso e planejado da água salobra na irrigação

Agricultura biossalina: alternativa no semiárido nordestino

Segundo dados da Embrapa, existem cerca de 200 mil poços perfurados em todo semiárido nordestino. Entretanto, devido à formação geológica da região, a água é salobra, ou seja, contém sal. Isso a torna imprópria para fornecer aos animais ou irrigar plantas. Se o agricultor a usar na irrigação, o sódio é agregado ao solo. Com isso as argilas são dispersadas e seguem para as camadas mais profundas entupindo os poros do solo. Como resultado, ocorre a compactação, ou mesmo erosão do solo, pois a água da chuva não consegue nele penetrar.

Embora a água salobra não seja adequada ao uso na agricultura, a única opção dos produtores da região é usá-la. Por tais motivos, os pesquisadores da Embrapa têm adaptado uma técnica, bastante comum em outros países, às condições do semiárido nordestino. Trata-se da "agricultura biossalina, uma alternativa de cultivo embasada no uso criterioso e planejado da água salobra na irrigação", afirma Gherman Araújo, coordenador do grupo de pesquisa.

A técnica tem sido empregada em áreas menores, onde são cultivadas forrageiras para alimentação de rebanhos. Inicialmente, a água do poço passa por análise para mensurar o volume e os tipos de sais que apresenta. Em seguida, o solo é analisado para avaliar suas condições antes de ser irrigado. Por fim, devem ser selecionadas culturas adequadas, como algumas espécies forrageiras.

"Entretanto, a espécie forrageira escolhida deve estar adaptada às condições de clima, solo e topografia da propriedade. Caso contrário, apresentará sérios problemas de desenvolvimento causando prejuízos ao agricultor", afirma Antônio Vander Pereira, professor do Curso a Distância CPT Seleção de Forrageiras, em Livro+DVD e Online, da Área Pastagens e Alimentação Animal.

Segundo Gherman Araújo, as plantas mais propícias à agricultura biossalina são as halófitas, pois, além de necessitarem de sódio para o seu desenvolvimento, são bastante resistentes aos sais presentes na água. A espécie mais conhecida é a Atriplex nummularia, chamada popularmente de erva-sal. Como apresenta mais de 20% de proteína (elemento essencial à alimentação dos animais), é recomendada para ser utilizada como forrageira.

Outras plantas têm sido testadas pelos especialistas da Embrapa - como gliricídia, palma forrageira, sorgo, moringa, leucina e palma. Esta última, além de matar a fome do rebanho, é uma excelente fonte de água (90%), perfeita para saciar a sede dos animais. Para que elas surtam efeitos positivos quando em cultivo, precisam não apenas do volume ideal de irrigação como também de uma boa adubação orgânica.

Para reduzir a salinização do solo, os pesquisadores sugerem um tipo de manejo mais adequado para preservação do solo. Nele, o agricultor divide a propriedade em talhões e escolhe um deles para o plantio. Mas é preciso que o solo do talhão escolhido passe por análise periódica para avaliar o teor de sal. Se a quantidade for crítica, o talhão deve ser deixado em descanso até baixar o nível de salinidade. Enquanto isso, outra área é utilizada para o plantio da forrageira.

Fonte: Globo Rural.

Confira o artigo "Manejo de irrigação" e aprimore ainda mais o seu conhecimento.

Andréa Oliveira 05-12-2017 Irrigação

Deixe um Comentário

Comentários

Francisco Honorato Sobrinho

27-01-2019

Excelente artigo. Tenho firme interesse na região semiárida. Tenho estudos em andamento para a agropecuária sustentável 100% orgânica. Parabéns!

Resposta do Portal Tecnologia e Treinamento

28-01-2019

Olá Francisco,

Agradecemos a visita e comentário em nosso site.

Ficamos felizes que tenha gostado do nosso conteúdo.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto