Como definir o ambiente econômico de cada membro da família

A administração das finanças não se reduz ao ambiente doméstico, pois envolve setores da sociedade com os quais a família interage

O problema primordial da economia doméstica é responder à pergunta: como manejar recursos da ordem pública para satisfazer as necessidades da vida privada?

Dois componentes básicos devem ser considerados no processo de administração das finanças pessoais ou familiares:

- Você como indivíduo ou a família desempenhando múltiplos papéis na sociedade como consumidores, e produtores de rendas e serviços; e,

- O meio ambiente onde vivem e do qual fazem parte: a) outras famílias; b) o mercado que provê empregos, a produção e distribuição de bens e serviços; c) o governo (nos âmbitos municipal, estadual e federal), que também oferece serviços e empregos, regulamenta os negócios e as empresas, tenta controlar os altos e baixos dos ciclos da economia, define os valores para a cobrança, a isenção e aplicação de multas, a cobrança de impostos e taxas e a isenção destas.

Cada vez mais as famílias dependem de seu meio ambiente para se desincumbir de suas principais funções. Vejamos alguns exemplos:

=> Alimentação - compram os alimentos in natura, semiprontos ou prontos para o consumo em estabelecimentos comerciais como supermercados ou as pessoas fazem refeições em restaurantes, lanchonetes, supermercados.

=> Educação e socialização - as crianças frequentam, desde os primeiros meses de vida, creches e escolas, onde passam quatro horas, no mínimo. Naquelas, em tempo de regime integral, essas instituições assumem uma infinidade de papéis que extrapolam aqueles que lhes cabiam tradicionalmente, incluindo higiene e alimentação.

=> Habitação - recorrem à casa de parentes, residências coletivas compartilhadas com outras famílias, pensões, "apart-hotéis".

=> Saúde - hospitais, postos de saúde, academias de ginásticas.

=> Lazer e entretenimento - bares, clubes, vizinhança, associações diversas, salas de diversões.

=> Econômica - comprar, pagar, obter e fazer empréstimos, investimentos, seguros de patrimônio pessoal e material. Mesmo a internet com a qual o usuário trabalha ou se entretém em casa, não o dispensa de interagir com outros sistemas, fora de seu domicílio, pois precisa de provedor e de alguém que possa fazer a manutenção, atualizar os programas etc.

Assim, para satisfazer suas necessidades cotidianas, os indivíduos e as famílias procuram interagir com as diversas instituições políticas, econômicas e sociais de onde vivem para obter recursos, resolver problemas financeiros, para se divertir, trabalhar, alimentar-se, estudar, ter e criar filhos, cuidar da saúde, defender seus direitos, entre outras coisas.

Nerina Aires Coelho Marques, coordenadora do Curso Finanças na Família - Administração e Controle, elaborado pelo CPT - Centro de Produções Técnicas, dá a dica: quanto melhor conhecermos as instituições e o funcionamento delas, melhor proveito poderemos obter a nosso favor. Esta é uma forma de ampliar a disponibilidade de recursos para satisfazer nossas necessidades.

A administração das finanças não se reduz ao ambiente doméstico, mas envolve ou é envolvida por todos os setores da sociedade com os quais a família interage.

Equipe de Redação 04-01-2012

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.