Valores, o diferencial de uma família

Os valores vão determinar as prioridades de cada um, em particular, e do grupo, na hora de dispor de tempo e de recursos

 

Nossas decisões e a maneira como lidamos com os recursos em nossas vidas são afetadas por forças psicológicas, sociais e culturais, principalmente, por nossos valores e emoções. Os valores refletem a importância que você dá às coisas enquanto as emoções refletem a maneira como você se sente e age em relação a elas. Juntas, essas forças exercem forte influência em nossas escolhas.

Os valores são permanentes, o que vai mudando é a importância relativa que damos às coisas. Há fases em nossa vida em que valorizamos mais o dinheiro, a profissão e o status social do que em outras. Com o passar do tempo, a ordem de importância vai mudando e passamos a priorizar a família, a saúde, a liberdade, por exemplo. Em outras, são a justiça, a verdade, a espiritualidade que recebem um maior peso em nossas resoluções.

É muito importante que tenhamos clareza de nossos valores e de como nos sentimos a respeito destes para que possamos tomar decisões mais coerentes com as demandas e desejos da família. Os valores vão determinar as prioridades de cada um, em particular, e do grupo, na hora de dispor de tempo e de recursos. Assim, a maneira como as famílias administram seus bens pode afetar a qualidade de vida dos indivíduos e da família.

Os valores são mais ou menos estáveis. As aspirações, os desejos e as metas é que vão mudando ao longo do ciclo de vida familiar. Desde o casamento até a saída dos filhos de casa, as famílias atravessam diferentes etapas que são caracterizadas por necessidades diferentes e, ao mesmo tempo, específicas.

Nerina Aires Coelho Marques, coordenadora do Curso Finanças na Família – Administração e Controle, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, ressalta que, além dos valores, é preciso considerar outros fatores importantes que afetam negativamente a forma como as pessoas  conduzem suas finanças. Alguns deles são:

O grupo social que tomamos como referência e cujo padrão queremos seguir. Ex: comprar roupas e sapatos de marcas famosas para obter a aprovação dos amigos; O medo de perder a segurança econômica, de passar uma imagem negativa ou de ser controlado pelos outros pode nos impedir de correr certos riscos calculados, isto é, contornáveis e para os quais teríamos uma cobertura. Com isso, perdemos bons negócios e deixamos de realizar conquistas materiais; O desejo incontido de obter vantagem em tudo é o que leva muitas pessoas a assumirem riscos indevidamente. Pensando ser muito espertas, são as vítimas preferidas dos aplicadores de golpes e das falsas promoções. Movidas pelo desejo de levar vantagem, tornam-se cegas para perceber que estão sendo enganadas quando se veem diante de uma fraude. Por vezes, um supermercado quer liquidar o estoque de mercadorias inúteis e oferece três unidades de um produto pelo preço de dois. Para “aproveitar a vantagem” o ganancioso, leva e paga por um produto que não precisava ou do qual apenas uma unidade já seria suficiente.

Equipe de Redação 06-01-2012

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.