No processamento da carne suína, a utilização dos recursos é integral

O abate de suínos exige instalações simples e baixo investimento

Industrialização de Carne Suína

Para aqueles que se propõem a fabricar alimentos, é importante lembrar que a higiene, em todas as etapas do trabalho, é o fator fundamental para o sucesso da atividade. A carne é facilmente contaminada, e os alimentos mal manipulados servem como veículo de transmissão de infecções e intoxicações para o consumidor, como, por exemplo, o botulismo, intoxicação causada pela ingestão de toxinas produzidas por um tipo de bactéria que pode se desenvolver na carne.

A produção de presuntos, apresuntados, pele à pururuca, torresmo, chouriço e salsichão de miúdos são boa opção para aqueles que produzem alimentos básicos. O sistema é simples e não depende de elevados investimentos em equipamentos. É também uma excelente alternativa para complementar a renda do produtor rural.

Para ilustrar o aproveitamento da carne suína, pode-se citar o presunto e o apresuntado, que se originam do pernil traseiro do porco. Para produzi-los, pode-se usar o pernil completo, com o toucinho e sem desossar, ou então, apenas as carnes. O presunto é produzido com a peça inteira do pernil, enquanto que o apresuntado é produzido com pedaços de carne do pernil que sobraram no momento da produção do presunto.

As instalações necessárias para o trabalho de produção de alimentos podem ser simples. É importante ter dois ambientes distintos, um para o abate de animais, e o outro para o processamento da carne.

O local para o abate pode ser apenas coberto e com o piso de cimento. Entretanto, o ambiente ideal onde os animais são abatidos deve ser protegido de ventos e poeiras por paredes azulejadas, com um sistema de esgoto eficiente, que leve os resíduos para locais bem distantes, servido por água em boa quantidade e qualidade para a limpeza e lavagem da carcaça, e longe de esterqueira, lixeira ou águas empoçadas.

O curso “Industrialização de Carne Suína”, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, apresenta técnicas simples, que exigem pouco investimento em equipamentos, e seguem normas de higiene e saúde, gerando um produto de grande aceitação entre os consumidores. A coordenação técnica deste trabalho ficou a cargo do professor Newton de Alencar, pesquisador da CEDAF - Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal - MG, pertencente à UFV - Universidade Federal de Viçosa.

http://www.youtube.com/watch?v=F7NSV38yxcs

Marconi Vieira 10-05-2011

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.