Como ser um pizzaiolo profissional

Para uma postura profissional adequada é necessário ética, bom humor, criatividade e espírito de liderança

Para ser um pizzaiolo bem qualificado e atender, de forma satisfatória, às exigências do mercado, não basta conhecer várias receitas e saber executá-las com eficiência. É preciso, antes de tudo, possuir conhecimentos de relações humanas, de ética profissional, de administração das etapas do trabalho e realizar seu trabalho mantendo as melhores condições de higiene, além de saber preservar a qualidade da matéria-prima a ser utilizada na elaboração dos produtos.

Quando o assunto é mercado de trabalho, o que se encontra sempre em pauta são as oportunidades. Os números demonstram, a todo momento, que, de modo geral, o número de vagas é bem inferior à oferta de trabalho, ou melhor: não tem trabalho para todos. Mas, existe também o outro lado que não podemos deixar de considerar: será que realmente está faltando tanto trabalho? Ou em boa parte dos casos o que falta, na verdade, são profissionais qualificados para exercerem suas funções de forma eficiente?

Hoje em dia, dada a grande competitividade do mercado, observamos que as empresas buscam encontrar colaboradores que possuam não apenas conhecimentos técnicos avançados mas que reúnam características essenciais para exercerem suas profissões. Nesse sentido, valores, como ética, iniciativa, bom humor, simpatia, carisma, espírito de liderança, autocontrole, perseverança e criatividade, no sentido de buscar inovações, são indispensáveis.

Todos esses pontos fundamentais para uma postura profissional adequada podem ser avaliados, na prática, pelo comportamento que o pizzaiolo terá ao exercer o seu trabalho.

É importante que você realmente adquira a consciência de que, com modernos modelos de gestão, que estão sendo aplicados em todos os setores, a profissionalização da mão de obra é algo imprescindível para o sucesso de qualquer pessoa, em seu ramo de atuação. E, em uma pizzaria, o pizzaiolo pode ser apontado como o principal responsável pelo sucesso do empreendimento.

Os estabelecimentos que fornecem alimentos possuem uma característica peculiar, que os difere dos demais. Quando vamos comprar uma roupa, por exemplo, nós escolhemos nas vitrines, experimentamos, compramos, e ainda temos a possibilidade de trocarmos a peça, se mudarmos de ideia mais tarde. Da mesma forma, quando precisamos comprar um equipamento, podemos recorrer aos manuais técnicos, verificar as especificações para sabermos se aquele instrumento atenderá plenamente às nossas necessidades. No caso dos alimentos não é assim. O cliente seleciona com base em um cardápio e deposita toda a confiança na pessoa responsável pela elaboração do produto. Ele apenas poderá reclamar caso alguma coisa não tenha sido feita de acordo com as suas expectativas. Mas, terá de pagar e não terá como efetuar a troca.

No entanto, um cliente insatisfeito poderá fazer uma forte propaganda negativa do estabelecimento e as críticas serão atribuídas às pessoas responsáveis pelo preparo dos produtos.

Wilson Ferreira, coordenador do Curso Treinamento de Pizzaiolo, elaborado pelo CPT - Centro de Produções Técnicas, dá a dica: "diante dessa consciência, o primeiro passo é, sem dúvida, o seu treinamento, a sua mudança ou aprimoramento na forma de pensar e de agir, cujos resultados farão parte da sua postura profissional. Lembre-se de que qualquer profissional terá uma postura. Então, ela não é sinônimo de eficiência e de bom comportamento. A postura pode ser boa ou ruim".

Equipe de Redação 12-01-2012 Hotelaria

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.