Excesso de ferro e cálcio na água de poços - saiba o que fazer

Excesso de ferro e cálcio na água de poços - saiba o que fazer. Em geral, a supressão de ferro e cálcio da água é feita nas ETAs - Estações de Tratamento de Água.

Alguns poços apresentam níveis elevados de metais, como ferro e cálcio, que precisam ser corrigidos

Excesso de ferro e cálcio na água de poços

Alguns poços apresentam níveis elevados de metais, como ferro e cálcio, que precisam ser corrigidos. Em geral, isso acontece devido ao período de repouso da água no reservatório. Quando a água possui ferro em excesso, o mineral reage com o oxigênio e altera a cor da água (amarelada). Já o aumento de cálcio surge das condições de pressão e temperatura, que promovem o surgimento de material esbranquiçado na água do poço.

O mais comum é que a água de poços artesianos e tubulares passe apenas pelo processo de desinfecção. Mas em terrenos antigos e com inclinação acentuada, pode surgir a presença de ferro e cálcio fora dos padrões determinados pelo MS - Ministério da Saúde. Até mesmo ferro sob a forma de bicarbonato ferroso pode ser encontrado dissolvido na água. Daí a necessidade de correção imediata.

Em geral, a supressão de ferro e cálcio da água é feita nas ETAs - Estações de Tratamento de Água. Nelas, são adicionados à água compostos químicos coagulantes, que formam flocos dos metais. Assim que eles precipitam, é possível removê-los facilmente. Além disso, a água passa por filtragem até que esteja própria para consumo e não gere risco algum à saúde humana e animal.

Outro método bem eficaz é a complexação. Por meio dele, são adicionados à água elementos complexantes - PHOSLAN. Na verdade, eles são injetados na saída do poço com o auxílio de uma bomba dosadora. Após o procedimento, as alterações na água, devido ao excesso de ferro e cálcio, são corrigidas e os resultados são surpreendentes - cor, turbidez e odor voltam ao normal e a água volta a ser cristalina.

Entretanto, a escolha do melhor método deve levar em consideração o custo-benefício e o volume de água a ser tratada. Há casos em que o melhor a fazer é retirar a água do poço - com o auxílio de um compressor ou transferindo-a para outro reservatório (mais acessível ao bolso).

Segundo Francisco Markowicz Júnior e Joaquim Aurélio Gomes, professores do Curso CPT Perfuração de Poços Artesianos e Semiartesianos, além da inspeção dos poços para avaliar a qualidade da água e a presença de metais em excesso, o processo de perfuração deve ser realizado por empresas bem-conceituadas no mercado.

Com os cuidados necessários, a água subterrânea não é contaminada - nem se torna suscetível a posteriores alterações físico-químicas, que tornem o seu consumo impróprio.   

Por Andréa Oliveira.

Fonte: perfuradores.com.br

Andréa Oliveira 30-05-2016 Meio Ambiente

Deixe um Comentário

Comentários

Wilson Ronaldo de Oliveira

05-12-2018

Temos um poço artesiano profundo (105 m) que apresentava alto teor de ferro 5,07 mg/l. Passamos então a lançar a água do poço numa cisterna de 20.000 litros para decantação e Instalamos uma estação de tratamento com zeólita e conseguimos reduzir para 0,63 mg/l, mas a proporção para consumo humano é de 0,3 mg/l. Pergunto-lhes 0,63 é prejudicial a saúde ou pode ser tolerado? O que fazer para reduzir este teor ainda mais, aumentar o teor de cloro seria uma solução ou lançar o elemento complexante Phoslan na cisterna? E em qual proporção?.

Resposta do Portal Tecnologia e Treinamento

05-12-2018

Olá Wilson,

Agradecemos a visita e comentário em nosso site.

sugerimos que consulte um profissional da área para te auxiliar.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto