Saiba como criar borboletas

Ao iniciar o voo, a borboleta vai procurar se alimentar do néctar das flores

Captura

O primeiro passo para se iniciar a criação amadora - não profissional - de borboletas é a captura dos ovos e das lagartas, procurando-os nas plantas dos bosques, jardins, pomares, enfim, onde haja plantas e flores, pois as flores são um grande atrativo para as borboletas. Em geral, os ovos e as lagartas estão localizados na parte inferior das folhas, como forma de proteção aos predadores. Os ovos podem estar dispostos em conjunto, em grandes quantidades, ou espalhados, um ou poucos ovos, por várias folhas e mesmo várias árvores, variando de cor e tamanho; muitos são bem pequenos, difíceis de serem observados.

A coleta

Encontrados os ovos, são eles recolhidos com cuidado, sendo ideal cortar a folha inteira ou um pedaço, para não machucá-los. Se preferirem, use um pincel de pintura para retirá-los das folhas. Em ambos os casos, coloque-os em uma vasilha de plástico com tampa. Fure a tampa com um estilete. Faça vários furos para proporcionar a entrada do ar. É indispensável colocar folhas, principalmente os brotinhos novos, no caso dos ovos, pois são preferidos pelas pequenas lagartas, quando picam os ovos para nascer. Após comerem o próprio ovo, rico em nutrientes, as lagartinhas passam a comer as folhinhas novas; somente após uma ou duas semanas passarão a comer as folhas mais velhas. No caso da coleta de lagartas, proceda da mesma forma, procurando identificar a planta hospedeira, pois para cada espécie de borboleta há uma planta hospedeira específica, muitas vezes única. Se forem novinhas, maiores, alimente-as com folhas normais. Se forem muitos os ovos ou as lagartas, distribua-os por várias vasilhas.

Tratos diários das lagartas

Importante precaução é a de limpar, diariamente, as fezes que as lagartas expelem. Como a alimentação é feita especialmente à noite, aproveite o período da manhã para essa limpeza, trocando as vasilhas por outras lavadas e limpas, com folhas da planta hospedeira ou pedaços de folhas, novas. Os ovos eclodem em poucos dias. Todas as lagartas se transformam ou em Borboletas ou em Mariposas. Muitas vezes, os ovos são de outros insetos, talvez até de predadores, moscas e vespas. É preciso cuidado!

As vasilhas de plástico devem ser colocadas em lugares bem iluminado, sem sol direto e protegidas de predadores. Calor e umidade são indispensáveis. Observe constantemente o crescimento das lagartas, pois algumas espécies são de hábitos canibais. Nesse caso, coloque poucas lagartas para cada vasilha. Após várias trocas de pele - ecdises - ao atingirem o tamanho adulto as lagartas procuram a parte superior da vasilha, a tampa, para se transformarem em pupa, coladas por cola que segregam. A transformação da pupa em borboleta demora entre 6 e 20 dias, normalmente.

Manejo das pupas

Nessa fase de pupas, elas podem ser retiradas e dependuradas por um alfinete em uma superfície mole, como espuma. Depois de um período pequeno, de 4 a 12 dias, as borboletas rompem a casca da pupa e nascem, ficando de cabeça para baixo, para que a força da gravidade ajude na expansão das asas, que estão moles e úmidas, injetando hemolinfa e ar nas veias das asas. Após algumas horas, as asas estarão secas e distendidas. A borboleta está apta e voar.

A alimentação

Ao iniciar o voo, a borboleta vai procurar se alimentar do néctar das flores. Para isso, é importante que o local contenha flores. Pode-se fazer também a alimentação artificial, com pires rasos, colocando uma mistura de água, açúcar e mel. Pode-se recorrer também aos conhecidos bebedores para beija-flores.

O acasalamento

O acasalamento é a principal função da borboleta adulta. As fêmeas procuram imediatamente a planta-hospedeira, para fazerem a oviposição. Os machos também procuram as plantas hospedeiras, pois sabem que é lá que as fêmeas irão. Muitas vezes a borboleta fêmea está ainda nascendo, na fase de distender e secar as asas, quando é fecundada pelo macho. O esperma é depositado numa bolsa no interior do abdome. Por ocasião da oviposição, a fêmea expele um ovo e comprime essa bolsa, para que haja a fecundação; assim a fecundação ocorre um segundo antes de ser botado. Convém observar que às vezes os ovos são colocados perto e não na planta hospedeira diretamente, mas sempre facilitando para que as lagartinhas possam encontrar o seu alimento.

Temos aí todas as fases da criação, desde a coleta dos ovos e lagartas, o nascimento das borboletas e a repetição do ciclo de acasalamento e oviposição. Mas, cumpre lembrar que cada espécie de borboleta possui um ciclo diferente de vida, tanto na fase de lagarta, como da própria borboleta, variando o ciclo de um mês, para o caso da borboleta da couve, até mais de seis meses, ou mais, para outras. Como se viu, a planta hospedeira é fator primordial para a criação de borboletas: cada espécie de borboleta tem uma lagarta que se alimenta de uma planta especial.

Osmar Salles de Figueiredo, coordenador do Curso Criação de Borboletas, produzido pelo CPT - Centro de Produções Técnicas, dá dicas importantes para se ter uma boa criação de borboletas, "a plantação de plantas hospedeiras e de flores para a alimentação das borboletas é o conselho fundamental para se obter êxito na criação de borboletas. Anote todas as particularidades, desde a coleta dos ovos e das lagartas, plantas hospedeiras, duração do tempo para se transformar em pupa e tempo de a borboleta nascer. Procure descrever o tamanho, o colorido e os desenhos, tanto dos ovos como das lagartas e das pupas, abrindo fichas para cada espécie, e denominando-as do ponto de vista popular e científico. Anote o horário e a forma de voo das borboletas."

Equipe de Redação 01-11-2011 Pequenas Criações

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.